Inteligência artificial e contrainteligência

Dezembro 1, 2021

A coleta de inteligência é tão antiga e estabelecida na história quanto os governos são:  Conhecer os planos e as intenções de inimigos e oponentes é fundamental para proteger a segurança nacional.  À medida que quaisquer novas técnicas e metodologias que venham a ser desenvolvidas para coleta de inteligência, há a certeza de que os adversários também as utilizarão para fins de espionagem.  Esta é a essência da contrainteligência:  Para proteger segredos de segurança nacional, incluindo fontes e métodos de inteligência, tecnologias sensíveis e propriedade intelectual, de governos hostis e criminosos.

As melhorias contínuas e sofisticadas nas técnicas de hackers cibernéticos tornam a proteção de informações confidenciais e sensíveis cada vez mais desafiadora.  O roubo de segredos sensíveis no centro da segurança militar e econômica é uma ameaça globalmente reconhecida ao bem-estar e à segurança nacional das democracias.  Isso ficou claro no caso de ataques de ransomware por hackers que extorquem dinheiro de empresas privadas, hospitais e governos. Ataques cibernéticos anteriores em grande escala, bem como indicações de extensas preparações e capacidades de serviços de inteligência estrangeiros hostis para atacar infraestruturas vitais e a Internet das Coisas, podem causar interrupções debilitantes nas cadeias de suprimentos, energia e serviços públicos, comunicações e serviços de emergência. A relativa viabilidade, anonimato, segurança e acessibilidade dessas formas de ataques significa que forças menores e mais fracas têm o potencial de causar sérios danos a países mais poderosos – os ataques cibernéticos são uma nova e poderosa capacidade de “guerra assimétrica”.

A Inteligência Artificial (IA) está sendo implantada com êxito para combater esse novo fenômeno de ameaça em rápido desenvolvimento e muito sério.  Devido aos ataques complexos, tecnicamente avançados e simultâneos dos quais as invasões cibernéticas de espionagem ou extorsão por ransomware dependem, apenas a IA personalizada pode detectar, interromper e combater esses ataques de maneira eficaz em uma escala ampla e contínua.  A IA foi desenvolvida e está sendo usada com alto impacto em abordagens inovadoras para proteger dados críticos e detectar e identificar imediatamente violações e vulnerabilidades de segurança cibernética.

A Inteligência Artificial (IA) está sendo usada em todo o mundo para coleta, processamento, análise e apresentação de grandes quantidades de dados de maneiras gerenciáveis e altamente processáveis.  Ela é aplicada em praticamente todos os campos e setores nos quais os dados fornecem insights importantes aos tomadores de decisão.  A IA tem o potencial de melhorar a velocidade, a capacidade e a precisão exponencialmente além dos métodos tradicionais. A OSINT (inteligência de código aberto), a HUMINT (inteligência de fonte humana), a GEOINT (inteligência geoespacial), a SIGINT (inteligência de sinais) e as outras inteligências aplicadas podem ser bastante ampliadas por IA e aprendizado de máquina, o que acelera e agiliza os processos para a obtenção mais rápida e mais precisa de resultados.

Da mesma forma, a IA pode ser usada para proteger informações vitais por meio da execução de algoritmos que detectam possíveis vulnerabilidades cibernéticas, identificam violações quase imediatamente, detectam proativamente possíveis ameaças e seus alvos e auxiliam os profissionais de contrainteligência em todas as fases de detecção e interrupção de ameaças.

A avaliação de ameaças orientada por IA também pode ser aplicada de forma eficaz a todas as fases de due diligence na detecção e mitigação de ameaças por funcionários em agências e organizações. À medida que a quantidade de dados sensíveis cresce a cada dia, é provável que os profissionais de segurança dependam cada vez mais da IA para gerenciar e proteger as informações que impulsionam o mundo.

Share this post