Por que a tecnologia de IA é essencial no combate à instabilidade crônica

Abril 29, 2021

Neste blog, o especialista internacional em combate ao terrorismo Dror Michman descreve os complexos desafios que as agências policiais e de inteligência enfrentam hoje e como a tecnologia baseada em IA pode ser parte da solução.

O cenário da inteligência mudou

As agências policiais e de inteligência operam em um mundo muito perturbador e isso tem muitas repercussões. Nesta era de mudanças tecnológicas e geopolíticas sem precedentes, as ferramentas tradicionais de inteligência não estão à altura de abordar variáveis complexas.

As ameaças globais como o terrorismo, o tráfico de seres humanos, o crime organizado, entre outros, levaram à instabilidade crônica. Embora a metodologia investigativa básica permaneça inalterada – avaliar o que as pessoas estão pensando, quais são as interações delas, o que as estão conduzindo e tirar conclusões sobre as possíveis intenções e motivos – a mídia, as fontes de informação e as tecnologias são totalmente diferentes. Os investigadores estão enfrentando um mundo totalmente novo de desafios de inteligência que exigem um novo conjunto de ferramentas de investigação mais sofisticadas.

A era dos militares tradicionais também está chegando ao fim. Estamos experimentando uma tendência crescente na guerra cognitiva, que visa a influência “leve” no pensamento, emoção e comportamento para conferir poder e controle aos atores mal-intencionados.

Governos enfrentam novas ameaças

Na complexa realidade atual, os governos precisam lidar com uma ampla gama de ameaças externas e internas em várias frentes, e muitas delas serão amplificadas como resultado da pandemia da Covid. As ameaças externas incluem o terrorismo que pode ter sido pausado até certo ponto durante a pandemia, mas não desapareceu e provavelmente retornará em ondas, tráfico de seres humanos, crimes cibernéticos, ciberterrorismo e guerra cognitiva ou neural. As ameaças internas incluem um aumento na política de identidade, forças antidemocráticas e a fragmentação da sociedade em endogrupos e exogrupos.

O que isso significa para as agências policiais e de inteligência

Podemos resumir essa nova realidade em uma única frase: “instabilidade crônica em busca de soluções”.
Quando falamos de “instabilidade crônica em busca de soluções”, não estamos falando das grandes ameaças “conhecidas” que já estão sendo monitoradas pela comunidade de inteligência. Isso é algo com o qual os governos estão familiarizados. Em vez disso, estamos falando de novos grupos sendo estabelecidos a cada minuto, com novas agendas, desconhecidas por quaisquer agências, que formam várias e inesperadas alianças e podem realizar atos violentos extremos e inesperados.

Hoje, vemos diferentes grupos se organizando espontaneamente em torno de ideias de curto prazo. Por exemplo, indivíduos que decidem fazer um tumulto no Capitólio ou um motim em Portland ou atacar uma sinagoga em Paris, que fazem isso com grupos anarquistas no Centro-Oeste, e recebem financiamento para essas atividades por um grupo de crime organizado na Moldávia etc.

Esta é uma situação espontânea e altamente fluida de parcerias, associações e alianças de curto prazo que surgem quase da noite para o dia; que não se baseiam em ideologias de base compartilhadas, mas em interesses mutuamente benéficos de curto prazo, que podem durar semanas ou meses. Tudo pode ser organizado e executado muito rapidamente e pode ser ativado por novas tecnologias – desde redes sociais e criptografia até a deep e dark web.

As soluções que os investigadores precisam para combater essa nova instabilidade crônica

Como esses novos tipos de atividades são inerentemente reativos e altamente espontâneos, os pesquisadores precisam ser capazes de fazer avaliações e chegar a conclusões muito rapidamente. A capacidade de realizar análises muito rápidas é fundamental, assim como a capacidade e as ferramentas para analisar rapidamente grandes quantidades de dados e obter insights úteis.

A maioria dos atores espontâneos organiza os planos por meio das redes sociais e deixa rastros digitais que podem ser analisados. Os investigadores precisam das ferramentas de investigação certas para rastrear atividades on-line, contextualizá-las, bem como entender o que possíveis atores mal-intencionados estão planejando e evitar possíveis ataques. É neste contexto que as tecnologias baseadas em IA podem fazer uma grande diferença, conectando os pontos em big data e fornecendo insights e análises relevantes, que permitem que os investigadores descubram rapidamente possíveis ameaças e até prevejam o que está por vir. Ao usar essas ferramentas, os investigadores podem ser parte da resposta e, portanto, parte da solução.

Dror Michman atuou por muitos anos em cargos seniores na área de segurança. Seu trabalho se concentra no combate ao terrorismo, cooperação internacional de inteligência e assuntos regionais do Oriente Médio. Foi pesquisador visitante no Center for Middle East Policy em Brookings e recebeu o Prêmio de Defesa de Israel e o prêmio de excelência do diretor do Gabinete do Primeiro Ministro.

Learn More >

Share this post